quinta-feira, 26 de maio de 2016

Manuel Vaz Coutinho


Manuel Vaz Coutinho
 
 
Era de Mazarefes, meu tio avô num quarteirão de casas e hotel, residenciais,

 balneários tudo em degradação que mete dó.



 










Uma das fotos moistra o Cemitério

onde ficou sepultada a sua esposa Elisabeth, fugida da grande guerra da

 Alemanha. Todas e outras fotos foram feitas pore indicação de um vizinho de

família amiga dos tios, estando indignados pelo estado em que tudo se encontrava

e "feitas a correr!..." ao que se pôde, pois nem sequer se deu a vota ao quarteirão

 todo do mesmo proprietário.  Assim encontrei pela morarada no Brasil.

 Obrigado à família do senhor Tércio que entretanto ele já faleceu.



 

segunda-feira, 23 de maio de 2016

O CICLO DA FLOR ------- A PROPÓSITO DAS MAIAS OU MAIOS








 
 
 
O CICLO DA FLOR

A PROPÓSITO DAS MAIAS OU MAIOS

                                                            

De cores se vestem os campos na Primavera.

Celebramos em Maio o ciclo da flor.

As festas aí estão com cestos floridos em Vila franca do Lima e os andores floridos de Alvarães. Manifestações que retratam arte e comunicam mensagens.

É um tempo novo, com símbolos de regeneração e fertilidade, onde não falta o canto do cuco e a chegada das andorinhas.

A poesia popular é consagrada no “Cante Alentejano” e assim ouvimos:

“Vamos lá saindo/ por esses campos fora; / e a manhã vem vindo/ dos lados da aurora”.

E ainda: “ O maio moço/ele lá vem,/vestido de verde/que parece bem”

A poetisa Rosalia de Castro escreveu um poema intitulado, “ Maio longo…Maio longo”

“Maio longo…maio longo/todo coberto de rosas;/para alguns telas de morte,/ para outros telas de bodas”.

 

PROFUNDIDADE ANCESTRAL

No primeiro dia de Maio conserva-se a tradição de colocar giestas nas casas, nos veículos, nas unidades industriais, nos estabelecimentos comerciais e nas praças.

A tradição das “maias ou maios” tem muita força e por isso foi objecto de estudo no âmbito das ciências sociais, de modo especial na antropologia.

O reconhecido investigador J. G. Frazes, na sua grande obra intitulada “La Rama Dourada” (Magia e Religion) (1922), com título original  “The Golden Bough”,  lança-nos luz sobre a profundidade ancestral do culto da “Árvore na Europa Moderna”, seguindo a tese vegetalista.

Na vizinha Galiza a festa das “Maios” é muito expressiva, como nos apresenta o investigador Clodio González Pérez no seu livro “As Festas dos Maios (1989).

As Publicações Dom Quixote, na colecção “Portugal de Perto”, editou a obra “Etnografia Portuguesa“ da autoria de Rocha Peixoto, bem como divulgou na mesma colecção “Festividades Ciclicas”, do grande antropólogo Ernesto Veiga de Oliveira.

Ainda sob as “maias” Jorge Dias, no estudo referente a “Vilarinho das Furnas - Uma Aldeia Comunitária” (1981),  refere: “No 1º de Maio, também costumam colocar  “maios” nas portas e janelas. Na véspera, seja muito ou pouco o serviço, vai sempre um de cada casa apanhar maias. Dizem eles, que é para comemorar o milagre que sucedeu quando Nosso Senhor andava perseguido e se refugiou numa casa de gente amiga. Um inimigo viu-o entrar na casa e marcou-a com uma flor de giesta, mas no dia seguinte, quando veio com muitos soldados para o matar, todas as portas e janelas estavam enfeitadas com maios, ele não pôde reconhecer a casa em que Jesus se escondeu”.

Aceitando os dois grandes grupos de plantas, umas boas e outras ruins, do primeiro fazem parte as giestas.

A narrativa referida por Jorge Dias e Rocha Peixoto é a mais conhecida no Alto Minho, como verificámos em entrevistas a pessoas que recolhiam  giestas para colocar à entrada das habitações.

 

A FLORÁLIA – FESTA ROMANA

O citado antropólogo Ernesto Veiga de Oliveira sustenta “que é clássica a hipóteses que procura a filiação das consagrações florais do 1º de Maio nas festas públicas romanas das “Florália” dedicadas à deusa Flora, que celebravam o renascer da Primavera; mas o parentesco entre essas festividades e celebrações atuais do 1º de Maio é muito problemático e não se pode estabelecer em termos gerais e concretos. A ideia de que se pode ajudar ritualmente o renascer das forças da natureza no princípio da Primavera tem contudo carácter universal e cremos legítimo, por vezes, interpretar estas cerimónias que existem em termos afins em inúmeros povos e civilizações”.

O 1º de Maio corresponde à noite de Valpurgis, que a demonologia medieval germânica povoou de bruxas invisíveis que andavam no ar e praticavam as suas obras infernais, certamente por herança da crença pagã nos espíritos nocivos do Inverno e do morte, de que era necessário purificar ritualmente a terra no Maio do ano agrário.

Assim sublinha Ernesto Veiga Oliveira.

É de referir a importância da festa Beltane, festival celta comemorado ainda nos nossos dias, reconhecido nas celebrações da “Festa da Primavera” com calendário no 1º de Maio.

Durante o festival são acesas fogueiras nos topos dos montes, sendo um ritual importante nas terras celtas. O fogo gera força benéfica para os rebanhos e terras, segundo crença antiga.

 

No Minho, no dia 3 de Maio, dia litúrgico da Santa Cruz, havia o costume generalizado de enfeitar com flores os cruzeiros das aldeias e o pároco subia a um alto para abençoar as terras, para o ano agrícola ser abundante, de modo especial o milho e o centeio, cereais importantes para a alimentação.

Não devemos omitir a comemoração do “Dia da Espiga”, presente nas comunidades a sul de país. Talvez esta celebração primaveril seja uma das muitas reminiscências de antigas tradições pagãs e esteja ligada à tradição dos Maios ou Maias. “O Dia da Espiga era também o Dia da Hora”. Era durante essa “Hora” que se colhiam as plantas para fazer o ramo de espiga e as ervas que se punham a secar para depois fazer chás.

As várias plantas que compõem o ramo da espiga era dado um significado e um valor simbólico:

Espiga – o pão que mata a fome e nos faz livres:

Malmequer – O ouro e a prata, o dinheiro, que tantas vezes nos encandeiam;

Papoila – O amor que é vida e nos faz ser gente:

Oliveira – A luz que anuncia o Dia;

Videira – O vinho da alegria e da festa;

Alecrim – A saúde, a sabedoria, a fortaleza do espírito.

                                                   (In M. F.)

 

O Dia da Espiga é comemorado na quinta-feira da Ascensão.

O “ramo de espiga” deve ser colocado por detrás da porta de entrada, e só deve ser substituído por um novo no dia da espiga do ano seguinte,

         Mas ainda, inserido no ”Ciclo da Flor” não podemos omitir a grande manifestação que são os tapetes nas ruas e praças aquando a procissão do “Corpo de Deus”. São os itinerários festivos e coloridos para o Senhor passar.

Não há festa sem flores aromáticas repletas de simbolismo de emoções e vivências marcantes.

A gentileza da oferta de um ramos de flores é um sinal nobre de ternura, carinho, felicitação, agradecimento, homenagem, admiração, saudade e bem querer.

É sempre manifestação visual de sentimentos e vivencias de fidalguia.

 

VAMOS COM A PRIMAVERA

Vivemos com símbolos e rituais que procedem do fundo da história e que constituem sínteses de manifestações culturais.

O poeta raiano e monçanense, João Verde, convida-nos

“Vamos pois aldeia fora/A procura da saúde;/Q’eu prefiro a voz do açude/ à cidade estonteadora.”/Vamos com a Primavera,/ As aves deixam o ninho;/Como eu adoro a Chimera/ Nas noites claras do Minho!”

         . È sempre saudável recordar o poema “Povo” de Pedro Homem de Mello “Meu cravo branco na orelha./ Minho camélia vermelha,/Meu verde manjericão”.

Se recuarmos no tempo encontramos o Rei D. Dinis, Trovador, a interpelar: “Ai flores, ai flores do verde pinho,/se sabedes provas do meu amigo?/Ai Deus, e u é”.

 

 

José Rodrigues Lima

93 85 83 275

  

    

 

 

 

Doutoramento Honoris Causa

 
 
Simulação com discursos humorísticos, conferências e festa de
 
doutoramentos "Honoris Causa" pelos utentes do Centro de Dia na
 
Praça da República. Não faltou assistência de todas as idades...



domingo, 22 de maio de 2016

Capela do Senhor do Alívio

Esta Capela estava perfeitamente integrada no lugar da Abelheira. A placa

informativa da Abelheira estava antes da Fábrica de madeiras da Socomina...

Essa placa foi mudada para junto e encostada à Capela do Senhor do Alívio...




sexta-feira, 20 de maio de 2016

Penedia na Serra de Arga



A Serra de Arga tem de ser
 
descoberta, percorrendo-a pé até aos
 
recônditos mais imperceptíveis que
 
possam parecer . É que ao virar da
 
esquina encontra-se o qu não se
 
esperava...

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Padre D. Jesus Garcia -- a generosidade



Padre D. Jesus Garcia com 80 anos,
 
 um homem solidário, filho da
 
Corunha.
 
 
 
 
irmão de mais 7...e não se cansa de
 
 partilhar e fazer que os seus
 
 paroquianos partilhem... Dá e os
 
anos
 
não lhe passarem...